terça-feira, 14 de outubro de 2008

Ciranda Maquiavélica

Circunscritos permeiam os espinhos
Dispostas a girar
Crianças do reino brincam
Sem medo de alguma prejudicar
Cantarolam a mesma canção
Movidas pela maquiavélica ambição
Uma ciranda nos espinhos
Esperando até uma criança ir ao chão.

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Primeira Vez

Quero falar do amor e seus encantos, mas gostaria de ressaltar a dor, sentimento que aos leitores sensibiliza. Apenas não posso ficar é sem uma idéia para desenvolver, preciso de um tema, mas não quero uma variação de temas famosos. Eu quero o meu tema. Sim, quero fazer a diferença, sentir que alguém me nota como um escritor diferente. Porém, às vezes penso, será que ser diferente também não está na moda? Será que fugir da moda não seria exatamente deixar de tentar ser diferente?
Quer saber? Vou querer um texto simples. Sem muitas delongas, sem tentar cansar o leitor com milhares de palavras chatas. Ser simples não quer dizer que vou ser piegas. Vou ser eu mesmo, seja isto bom ou ruim.
Acontece que esta primeira vez apresenta-se como um desafio. É como a folha de papel travasse um duelo com os meus dedos, provocando-os gritando: “Sinta! Pense! Escreva! Ou está com medo?”. Sinto-me provocado, mas ao mesmo tempo a explosão de sentimentos querendo pular para o papel, todos esbarrando um contra o outro, como espermatozóides em busca de ser o protagonista da fecundação, impedem-me de conduzir um texto são e ordeiro. Trago comigo, também, o medo de transparecer meus vícios de escrita, meus erros gramaticais e a minha falta de experiência demasiadamente exposta.
Colocarei uma música ao fundo, isso! Sempre me ajuda. Pronto! Agora ao som de Graforréia Xilarmônica, estarei falando sobre algo.
A saudade é um sentimento que mescla o amor e a dor, então é o ideal. Saudade é você lembrar de alguém que você ama e chorar de tristeza. É simples assim, alguém vai embora, muitas vezes nem avisa, o coração fica um tempo meio que sem entender o que aconteceu, cai à ficha, e uma dor profunda o invade. Você fica sem saber o que sentir, então faz uma cara de “estou bem, mas este cisco no olho tá uma coisa que eu vou te falar...”.
Bem, era isto que eu esperava. Simples, direto, mesclando o amor e a dor em um tema bastante usado. Não sei se o leitor vai ser surpreender, ou me achar alguém sem conteúdo. Mas, quer saber? O que importa é que alcancei o meu objetivo com esse texto. Se o leitor não gostar, ele que vá escrever um texto com o que ele quer dentro. Além do mais, esta é minha primeira vez escrevendo um texto.

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Atualidade Pleonástica

Sábios conselhos ecoam na brisa da insanidade

Loucamente, redundantemente, sacanamente.

Surgem os boatos do novo milênio,

Total desmoronamento da sociedade,

Ressurge uma nova idade, que rejuvenesce.

Loucamente, redundantemente, sacanamente.

Problemas resolvidos por gestões problemáticas

Seguindo uma linha metódica desordenada.

Excessivamente consciente,

Dramaticamente sorridente,

Loucamente, redundantemente, sacanamente.



terça-feira, 29 de julho de 2008

Nossa linda juventude...tra lá lá lá...

NOTAS DE JOVENS COM A MENTE SUGADA PELO MUNDO ATUAL.

(Baseado em fatos reais, estupidez real, idiotas reais)

  • “UFC o que, man? Vou fazer é direito na Fa7 pra ser diretor!”
  • “Diretor não, doido! É direitor!”

Ø Ao longo de um período extenso e exaustivo, colhi algumas regras básicas de uma atmosfera tosca e imbecil, também conhecida como: sala de aula. Nada contra as aulas. O verdadeiro problema delas são os alunos. Vamos às regras para um aluno playboy de escola particular deste século:

a) Não importa o quão você seja fanático por um time nacional, procure sempre usar blusas de times europeus.

b) Bonés são aceitos desde que estejam contidos no MPBF (Manual do Playboy Fashion). Nele estão registrados bonés da Nike, Adidas e várias outras marcas que o preço seja absurdamente alto.

c) Blusas do Brasil não são mais a sensação do momento.

d) Use casacos “styles” da Itália!

e) Siga a seqüência de instruções:

1- Desfile! Mesmo que ninguém esteja olhando para você, mesmo que você seja feio como uma briga de gilete enferrujada, desfile!

2- Escolha um canto da sala de aula e pare lá.

3- Estenda suas mãos. Abrigue a mão direita debaixo da axila esquerda, assim como a mão esquerda debaixo da axila direita, deixando apenas os polegares para fora, fazendo um ângulo de aproximadamente 90º.

4- Jogue seus cabelos ao vento mesmo que você seja careca.

5- Ao se aproximar uma garota, cerre os olhos e faça uma cara de hipermétrope sem óculos.

6- Precisa lembrar de bater fotos de poses suas com o celular? Acho que não, é algo tão básico!

7- Mostre seu iPod e a potência dos seus fones de ouvido em graves de música eletrônica.

f) Detenha sua leitura diária em scraps do orkurt e previews da Malhação.

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Postagens...

Não vamos postar apenas por postar, ok? A minha rotina atual encontra-se melada, suja, cheia de idéias acumuladas e poeira pra todo o lado. Fazer acontecer. Mas, como controlar a fúria de novas idéias e concilia-las com as antigas? Sei lá! É difícil. Talvez seja apenas uma fase... Ou não.
"Vou postar hoje!". Não posto. "Vou apenas olhar o blog". Acabo postando. Acontece com os piores escritores... Ou aqueles que se consideram escritores na maior cara de pau. Imagino às vezes esse blog sem as datas, para os visitantes encontrarem apenas postagens, sem perceber a diferença contida entre uma e outra data. Sim, eu me incomodo com isso. Você está entendo o que estou tentando dizer com essa postagem? Espero que sim, porque tem vezes que nem mesmo eu entendo.
Ando postando coisas no Vampiros Anêmicos. Gosto de lá. Escrever em dois blogs não é grande coisa. Pelo contrário, tem me ajudado a encarar novos desafios. Bem... Não disse que encarar novos desafios faz alguém evoluir. Disse? Não, não... Se você acha que sim, entendeu errado.
Aqui em casa, quando estou pensando em algo ou lendo algum livro, sempre me vem à idéia de uma nova postagem, de novas histórias, novos projetos, novas continuações de projetos acumulados. Boto sempre na minha cabeça que ainda não sei escrever. Assim eu posso arriscar tudo sem ter nada. Nova postagem, tempo não determinado, evolução não confirmada, idéias vomitadas na tela garantidas.

sábado, 17 de maio de 2008

Propaganda!


IMPACTO COMIX! Loja do Everton, do blog "Cartum Infame". Comprem lá e levem seus fanzines!

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Cliníca

Os dias passam morbidamente e a repetição encontra-se fixada ao movimento das enfermeiras. Tudo começou há um ano, pois foi quando reparei nas loucuras da vida e em seus prazeres.
Estou internado em um hospital público. Posso saber que dia é hoje simplesmente porque possuo um relógio de pulso. Pelo menos algum bem ainda está em minhas mãos. O movimento no meu quarto é intenso, mas ao mesmo tempo silencioso e em doses homeopáticas.
Perdi a audição em um acidente que, por pouco, não levou a minha alma para fora deste corpo frágil e debilitado. A tragédia foi uma resposta para o que minhas ações perguntavam desesperadamente. Não preciso entrar em detalhes. Sou um cara surdo, apenas isto.
São cinco e meia da tarde. O doutor vem nesta hora para me consultar, trazendo consigo uma caderneta. Imagino que ele deve anotar os novos agravamentos na minha saúde e regredir na contagem dos meus dias finais. Ele fala comigo, conversa bastante, mas sou péssimo em leitura labial, por isso, o máximo que eu consigo entender é um "olá".
Respiro com ajuda de aparelhos, não sinto minhas pernas e é insuportável a sensação de não ouvir o que você mesmo está falando. Não me comunico com ninguém, apenas observo.
São onze horas da noite, o dia hoje passou rápido. Que bom, acho que a dor já está inscrita em minha rotina. Estranho o doutor entrar no quarto à esta hora. Ele está se aproximando da máquina que me propicia condições para respirar. Analisou o aparelho, riscou algo na caderneta e apertou o botão. Desligou. Falta de ar, uma lágrima, não restou esperanças para um novo despertar.

terça-feira, 1 de abril de 2008

sábado, 15 de março de 2008

Quando a mídia seduz as córneas

A psicodelia disfarçada invade minhas córneas mais uma vez, insanamente estou a pedir que a verdade não me apareça vestida com cores e frases feitas. Na frente de nossos corpos acomodados no sofá são apresentados moralismos e costumes numa falsa sedução, fada madrinha, papai Noel, um santo homem cristão. Trace o seu destino, compre mais barato, obrigado por se deixar sugar, programas de verão à beira do mar.

A Inocência existe, idiotice não tem limites, traição, comprar um pão, ir à praça e jogar xadrez na casa do João. Craque, crack, assista ao futebol, polícia ao ataque! Mude, use, compre batom! Seja, leia a Veja, exista em um mundo “X” de hipocrisia demasiada.

Boicote as palavras, o povo quer ver sangue. Morte ao assassino! Vê se pode, decapitou um menino! Criamos desejos e malícias, não vivam reclamando, tire a roupa e saia proclamando: “Diga não à prostituição!”. Semana santa, queremos papa, pa – pé – pio, sapatos da Casa Pio. Poluição no mundo diga não à destruição! Quem vai ligar para um simples pedaço de papelão?

Vejam que lindo anel de ouro! Das feridas africanas escorrem vísceras, traga a vasilha! Traga a vasilha! Cinco semanas de trabalho por apenas alguns centavos! Nossa Senhora me dê a mão, dance comigo este samba – canção. O fumo mata, funerária dá lucros, santo homem, a overdose o levou. O mundo acabou! O mundo acabou! Busquem a salvação, tenho uma excelente promoção...

sexta-feira, 7 de março de 2008

O Viciado

Minha vez?

Posso começar?

Obrigado...

Oi pessoal, meu nome é Rosvaldo Lindomalvino, mas todo mundo me conhece como "Dark_Lord".

É difícil falar sobre o meu caso, pois foi muito barra pesada. Se vocês me conhecessem há alguns meses, iriam ver que antes não teria coragem de estar na frente de tanta gente e de falar sobre minha vida. Eu era um garoto normal, entrava no msn, mudava as fotos do orkut todo o dia e olhava todos os scraps. Foi quando vieram as influências, cara! Eu achava que não iria me contaminar, não iria me entregar, mas fui vencido pelo vício.

Foi através de alguns garotos da minha escola, eles já eram usuários há anos. Um dia, quando saí da escola, eles me abordaram, me chamaram para participar de uma rodinha com eles...disseram que iria ser maneiro, eu iria me sentir leve e numa "nice". Eles me deram algumas cartas e eu formei o meu primeiro deck.

Comecei com o Pokémon, mas teve uma hora que o meu organismo começou a exigir algo mais pesado e quando eu menos esperava já estava no Yu-gi-oh!. Parei de comprar meus livros e mangás para comprar cartas e mais cartas. Meus irmãos, eu vendi meu X-box!!! Foi aí que descobri que estava totalmente dependente e não havia para onde eu pudesse correr, pois o fantasma me perseguia por todos os cantos, estava desesperado! Houve um período de breve recuperação em que consegui parar de jogar mais de uma semana. Mas o sonho durou pouco até que eu cheguei no ápice e comecei com o Magic.

As jóias da minha mãe, o dinheiro da mensalidade da escola, tudo fora gasto em prol desta minha dependência. Criei dívidas muito altas, recebi castigos dos meus pais. Eles uma vez me proibiram de jogar War Craft por 1 mês! Desde o castigo eu realmente pensei no que eu estava me transformando. Nossa, que monstro eu era!

Aos poucos a luz voltou aos meus cegos olhos e hoje estou curado, irmãos...estou revitalizado!! Essa vida não me pertence mais!

Alguém aí gosta de "Pump it!"?

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

A sensação do momento!


"Senhoras e senhores, eu tive um sonho...."

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

A notícia da semana!


Após quase 50 anos de governo, Fidel Castro renuncia o cargo. Esta notícia marcou o início de uma nova era! Os cidadãos cubanos estão livres! Livres para... livres para... para... hum... livres para que mesmo, hein?

sábado, 9 de fevereiro de 2008

Castiçal

Do velho castiçal jorrava sangue e a cena era aquecida pela vela dedicada a algum santo de cera qualquer. A irradiação fazia os olhos lacrimejarem e concentrar todo o ódio na missão de eliminar culpa e arrependimento. Nos minutos posteriores ao crime cometido veio o fervilho dos pensamentos, fazendo acupuntura em todos os seus valores morais. Matou com suas mãos, e essa morte o libertará. Aqui jaz Francisco Augusto, sob o material de suas obras e vestido com sua batina, o uniforme da autoridade máxima da Catedral de uma cidade com menos de 5 mil habitantes.

Liberdade!”, o grito que partiu do pensamento daquele coroinha que se encarregou de uma tarefa, digamos assim, extra. Saiu pelos fundos, deixou para trás sua bata, subiu em sua bicicleta e partiu rumo a cidade de Fortaleza, em busca do seu sonho, longe dos santos, do padre e do velho castiçal.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Stratonóia

Stratonóia em uma atmosfera nebulosa. Êxtase populacional face a face com o raciocínio em transe. Em meio a paisagem se encontram cosmos. Alguns brilham mais do que os outros, mas é sólida a certeza de que um dia irão todos se apagar. A terra do sol queima seus habitantes? Voltando aos cosmos... Quem quer brilhar, se o destino é se apagar? Gravei na mente os movimentos desta Era. Momentos, fantasias e passos. Sim, passos. Andando pelas ruas, nota-se que os cosmos passam e retornam para o mesmo lugar. As suas vestes mudam para determinar ocasiões. Locais para onde vão. O que leva uma mulher a se maquiar, se um dia irá se apagar? Trata-se de mudanças... Algo tão incompreensível quanto esse texto. Se você não estiver gostando da leitura, finja que tudo o que você leu é um cosmo como você e irá se apagar das suas lembranças. Todos os dias essa terra apaga as lembranças de algum ser qualquer. Pode um cosmo apagar o outro? Impessoalidade no trânsito. Há algumas excessões, mas na maioria das vezes acabam com palavrões e morte. Não sei qual o motivo de estar escrevendo. Irei apagar qualquer dia desses. Não seria mais duro apagar depois de tanto lutar? Absorva a stratonóia, respire, esqueça tudo e apague.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Carta Natalina

Querido papai Nuel, sei que nesse ano não fui um garotinho legal como havia prometido. Mas, neste último mês eu não matei ninguém. Nem trocar tiro com a polícia eu troquei! Será que seria demais para o senhor em sua infinita bondade, do tamanho dessa barriga, atender ao meu humilde pedido?
Eu prometo, caso o senhor atenda o meu clamor, que serei um bom menino. Vou à escola, paro de bater na minha mãe, num faço mais acordo com os “hômi”e, se quiser, deixo até uns pacotinho de maconha especial no telhado só pro senhor!!
Só quero uma escopeta, me dando isso o senhor não precisa me dar presente por vários anos. Prometo que é sópra brincar de polícia e ladrão com meus coleguinhas...
Pórem, se o senhor num me der a minha escopeta, eu já tenho um .38 e sei usá-lo muito bem. O Pólo – Norte num é tão longe não, seu Nuel. As outras criancinhas não iriam gostar se o barrigudo delas amanhecesse com a boca cheia de formigas, tá ligado?!

Com carinho, o de menor.

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Grilhões de Metal

Largue minha mão para que possa colher o meu psicológico
Suas palavras sujas me fazem seguir a natureza humana
Guarde-as e nunca mais me machuque
Eu preciso de liberdade para viver, achar a razão
Eu quero quebrar o concreto, pois nele estou contido
Fora das idéias, fora do sistema
Fora de qualquer traje furado que a vida me deu
Preso em grilhões de metal,
Eu estava sendo um instrumento de tortura
Sangrando o meu coração por uma boa escolha?
Eu somente quero me conhecer melhor...
Preso em grilhões de metal,
Por sanguessugas da depressão meu sangue é consumido

domingo, 25 de novembro de 2007

Comunistas!

Os comunistas comem criancinhas. Foi isso mesmo o que eu disse! Os comunistas comem criancinhas! Seres malvados que não aceitam a ideologia correta: O capitalismo. Este último vem causando desigualdades, afundando a grande população pobre, ao mesmo tempo em que engrandece e presenteia com infinita prosperidade a minoria rica, lotada de seres corruptos e de alto egoísmo. Enquanto playboyzinhos viajam em seus iates curtindo as férias eternas, os trabalhadores das empresas de seus papais estão tentando sobreviver com menos de um salário mínimo. As madames servem caviar na suite de seu cachorrinho, enquanto crianças morrem de fome do outro lado da cidade. A ambição gera explosões nucleares que acabam com milhares de vidas em poucos segundos, os interesses de um governo geram a opressão. Oprimidos, saqueados e humilhados, os países subdesenvolvidos tem a obrigação de se recolher em silêncio, pois o dinheiro determina quem manda nessa terra de yankees. Porém, os comunistas comem criancinhas...os comunistas comem criancinhas...

terça-feira, 20 de novembro de 2007

El Chateau*

*Obra do cineasta Victor Hugo Borges

Sentimentos, nervosismo e flores
Sangue, víceras, dores
Engano em vida, vida em morte
Agonia ou sorte?
-Saboroso Alimento, fora ótimo consolador.-
Desentendimentos são complexos, muitas vezes trágicos. Achamos que tomamos atitudes corretas, mas estamos na direção contrária. Será que um dia alguém vai notar? Será que um dia você mesmo irá notar? Há decisões e burradas que nunca compreenderemos. Por trás dos panos, nada é o que parece ser. Por trás do belo, há um covil de carniceiros enganando você!

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Ígnea

Esquenta-te com o próprio calor
Neutraliza a força das chamas
Utilizando a própria dor
Limpa tua alma formando cinzas
Vermelha e formosa
Enfurecida albina
Rosa magmática de cheiro ardente
Filha da combustão
Trabalho da fúria na mente
Intocável, isolada, mas não distante
Flâmulas sedentas
Consume pelo prazer de um instante

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Mandrake

Gesticular para alterar emoções
Usar do inconveniente para justificar ações
Prove desta dança ocular
Não resista ao que é posto em seu lugar
Sentir a submissão, falsa devoção
Deixe-me apalpar e conduzir seu coração
Rebaixe sua mente sem temer
Desalmarei o teu corpo para te obter

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Pétalas secas

Venho te ofertar o que possuo de melhor
Um punhado do meu ser
O reflexo de uma trajetória
Pétalas secas e espinhos cegos

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Figurativo

Penso, respiro, não digo que existo
Sirvo, divirto, não piso
Entro, saio, não altero o previsto
Movimento, ação, não aponto a direção

Imobilidade orbital, sedimentação espiritual

Falo, gesticulo, não expresso
Analiso, critico, não protesto
Ativo, compulsivo, não consigo
Estigmatizo, Excomungo, não justifico

Passividade vital, inquietação sobrenatural

sábado, 1 de setembro de 2007

Ansiedade & Agonia

Ansiedade e Agonia resumem-se na putrefação de uma certeza
Podendo matar talvez
A única coisa que se matém viva dentro de você
Podendo afogar suas forças
Em seu próprio mar
Desencadeando o medo de nunca realizar
E aumentando a certeza de que sempre irá falhar

Ansiedade e Agonia podem escrever sua sentença
Fazendo-o sangrar por toda a eternidade
Afundado no arrependimento eterno
Olhando para trás
E vendo o ínicio de sua cova

Mãos trêmulas buscando por um porto seguro
Em que possam repousar toda a insegurança
O suor se converte em sangue
Queimando sua pele por mudanças climáticas de sua mente

Ansiedade e Agonia resumem-se na cauterização dos planos
Levando-o até um clima suave...
Onde não precisará mais lutar e nem sentirá dor...

Ansiedade e Agonia resumem-se no seu fim.

Tempo

O tempo chegou....
A opressão procura os sobreviventes
Para sugá-los
Tudo aquilo que ainda lhes resta


Os momentos de uma era
Substituidos por tormentas de uma nova
Daquilo em que vivemos
Daquilo que planejamos
Se vêem os restos sendo jogados ao vento
Sendo levados para longe
Sem chance de voltarmos a ser aquilo novamente

Tudo o que vai, não lhe transmite esperanças de uma volta
Mas a certeza
De uma mudança de planos
Rumando a uma nova direção
Que nos traz a ânsia para uma nova vida
Pois viver aqui se tornou um fardo

O tempo busca você
Armado com seus ventos de amargura
Conduzindo nossa ofegante respiração para o fim
O tempo o escraviza
O mantendo na linha de um pendulo
Para seguir suas coordenadas

Tudo o que vai, não lhe transmite esperanças de uma volta
Mas a certeza
De uma mudança de planos
Rumando a uma nova direção
Que nos traz a ânsia para uma nova vida
Pois viver aqui se tornou um fardo

Santidade da Ambição

Opiniões controladas pela mente santa
Democracia espiritual rasgada pela lâmina da condenação
Uma instituição física tomando forma de deus
Um deus que quer vender sua salvação
Controles mentais tomando o poder do povo
O povo seduzido pela ilusão sagrada
Homens que olham suas próprias mãos e as julgam milagrosas

Sinos batem para começar a arrecadação
Moedas de ouro em troca de sua salvação
Eles querem algo em troca
Compre, ou seja, condenado por toda a eternidade

Luzes acesas artificialmente para iluminar o berço
Um berço onde habita um menino de algodão
Ambição toma conta da santificação
Santos de gesso elevados por mentes ingênuas e tolas
Dando tudo para sede do poder de um falso deus.